Direto do MetrôAtualizado em: 17/05/2018 17:41

Metrô
Linha 1 -AzulOperação Normal
Linha 2 -VerdeOperação Normal
Linha 3 -VermelhaOperação Normal
Linha 5 -LilásOperação Normal
Linha 15 -PrataOperação Normal

8 de junho de 2013

Especial: Grupo fecha marginal Pinheiros em protesto contra aumento de passagens em SP

Em protesto contra o aumento das tarifas do transporte público em São Paulo, 9 manifestantes chegaram a fechar por cerca de 5 minutos a pista local marginal Pinheiros, no sentido Castelo Branco, na tarde deste sábado (8).

Usando máscaras e carregando cartazes, os participantes do ato estenderam uma faixa bloqueando o tráfego na região da estação Berrini da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). A Polícia Militar interveio e liberou a pista minutos depois. Um dos manifestantes foi detido por desacato. Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), não houve registro de lentidão no trecho.

A manifestação, organizada pelos grupos Anonymous e Movimento Mudança Já, foi divulgada nas redes sociais, em que os grupos sugerem também uma campanha de boicote que consiste em pagar as passagens de ônibus, trem ou metrô com notas de R$ 20 e R$ 50, com o intuito de deixar a bilheteria sem troco e "passar de graça".

As passagens que eram R$ 3, foram reajustadas para R$ 3,20 no último domingo (2). O reajuste foi de 6,7%. No caso do ônibus, cujo valor da passagem não era corrigida desde janeiro de 2011, o valor ficou bem abaixo da inflação acumulada no período.

Este foi o terceiro dia seguido de protesto contra o aumento das passagens em São Paulo. Na noite de ontem (7), um protesto do Movimento Passe Livre reuniu 4.000 pessoas, partiu do largo da Batata e seguiu por vias como a Brigadeiro Faria Lima, Eusébio Matoso, marginal Pinheiros e avenida Paulista. A cidade registrou a terceira maior lentidão do ano, com 226 km de filas às 18h30, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego).

Os dois primeiros dias foram marcados por atos de vandalismo e confronto com a polícia, que tentou conter o grupo com bombas de gás lacrimogêneo e tiros de borrachas. O Metrô de São Paulo estimou em R$ 73 mil os prejuízos no primeiro dia, sendo R$ 68 mil em vidros quebrados e R$ 5.000 com luminárias danificadas.

Fonte: Folha de SP

Nenhum comentário:

RESPONSABILIDADE

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.