19 de junho de 2013

Reajuste da tarifa é revogado em trens, Metrô e ônibus em SP

O reajuste da tarifa do transporte público foi revogado em São Paulo. A redução começa a valer a partir de segunda-feira (24). As passagens de trens, Metrô e ônibus voltam a custar R$ 3.

A decisão foi anunciada após reunião entre o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Fernando Haddad (PT) no Palácio dos Bandeirantes na tarde desta quarta-feira (19).

Os responsáveis pela administração do estado e do município sofriam pressão de movimentos populares contra a alta da tarifa de trens, Metrô e ônibus. Eles fizeram o anúncio da decisão em conjunto.

Em seu pronunciamento, antes de anunciar a redução, o governador Geraldo Alckmin reforçou ter compromisso com a melhoria do transporte público e com a tranquilidade da cidade.

Por sua vez, Haddad reafirmou que a redução vai trazer consequências para a cidade, o que vai exigir que o Orçamento municipal seja repensado.

Também participaram da reunião o secretário do governo municipal, Antonio Donato Madormo,  o secretário estadual de Transporte Metropolitanos, Jurandir Fernandes, e o secretário chefe da Casa Civil do governo estadual, Edson Aparecido.

Nesta manhã, o prefeito Fernando Haddad (PT) disse em entrevista ao SPTV que daria uma resposta até sexta-feira (21) sobre a possibilidade de redução na tarifa de ônibus.

"Nós estamos com nosso cronograma no máximo até sexta-feira para dar resposta para o movimento. Nós não somos irresponsáveis de ir concordando com tudo sem saber o impacto para a socidade, mas nós estamos na mesa de negociação, discutindo", afirmou.

O prefeito voltou a dizer que existiam apenas duas alternativas para revogar o aumento da tarifa de ônibus: cortar gastos de outras áreas ou avançar na política de desoneração. “Nós estamos colocando R$ 600 milhões a mais na conta do subsídio para manter a tarifa nesse patamar. Qualquer mudança disso significará prejuízo para outras áreas do governo. Nós trabalhamos no sentido de aprovar a política de desoneração”, afirmou.

Pela manhã, o governador Geraldo Alckmin não comentou as reivindicações, mas falou sobre saques e atos de vandalismo registrados no sexto dia de protestos. Ele afirmou que a Polícia Militar deverá agir com rigor para proteger o patrimônio público e privado durante as manifestações.

"A polícia agirá com rigor no sentido de que não permitirá a ação de vândalos, seja colocando a vida das pessoas em risco, seja promovendo destruição do patrimônio”, disse o governador.
Ele reiterou, no entanto, o apoio às manifestações pacíficas. “Eu queria dizer todo nosso apoio para manifestação. Manifestação legítima, uma manifestação pacífica, uma manifestação ordeira. De outro lado, não é possível tolerar a ação de vândalos, de uma minoria que depreda patrimônio público e privado, que fez saques, que põe em risco a vida da população”, disse o governador.

Alckmin cobrou que o movimento se manifeste contra os atos de vandalismo. “Aos jovens líderes do movimento, liderança impõe responsabilidade, devem claramente condenar essas ações de vandalismo e de baderna que prejudicam a população”, disse.

Movimento critica estratégias

O Movimento Passe Livre declarou, em nota divulgada nesta quarta, que o poder público de São Paulo tem escolhido duas estratégias para enfrentar os recentes protestos que pedem a revogação do aumento das tarifas do transporte público na cidade: o governo do estado "se cala" e a Prefeitura, "tenta de toda forma iludir o povo".
A nota foi divulgada durante mais um dia de protestos contra o aumento da tarifa do transporte público de R$ 3 para R$ 3,20. Vias da capital paulista foram bloqueadas pela manhã por grupos que dão apoio ao MPL. Na terça-feira (18), durante o 6º protesto sobre a redução das tarifas, houve atos de vandalismo contra a sede da Prefeitura e outros prédios públicos. Na Avenida Paulista e na Praça da Sé, a manifestação foi pacífica.

Os organizadores das manifestações dizem que o governo estadual se nega a dialogar. "O governo do Estado se cala e desaparece do debate público, se negando a dialogar e criando uma ideia que essa é uma questão única de segurança pública, colocando sempre o comando da PM à frente de todas as situações", diz o documento.

Em relação à Prefeitura, o movimento critica as declarações sobre as mudanças no Orçamento, caso seja reduzida a tarifa. "Já a Prefeitura tenta de toda forma iludir o povo nas ruas, criando a falsa ideia de que, para revogar o aumento, a Prefeitura terá que retirar dinheiro da educação, saúde e outras áreas sociais", afirma a nota.

Segundo o MPL, o discurso da Prefeitura é falso e justifica que as verbas para setores como educação e saúde estão vinculadas e não podem ser transferidas. Também segundo a nota, o governador Geraldo Alckmin deixou claro que prefere mandar a Polícia Militar para tratar de uma demanda da população, o que comprova que São Paulo "não lida bem com manifestações".
G1
Postar um comentário

RESPONSABILIDADE

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.