4 de junho de 2014

Metroviários de SP decidem entrar em greve a partir desta quinta

Os metroviários de São Paulo decidiram em assembleia nesta quarta-feira (4) entrar em greve a partir da madrugada desta quinta-feira (5). A paralisação não tem data para terminar, segundo o sindicato. Não havia informações sobre o porcentual de adesão até as 19h50.

Procurada, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou às 19h50 que, até o horário, não havia determinação sobre a suspensão do rodízio municipal de veículos nesta quinta.
Uma reunião realizada no início da tarde desta quarta entre o Sindicato dos Metroviários de São Paulo e representantes do Metrô terminou sem acordo. O encontro ocorreu na sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), no Centro da capital paulista.

Após uma hora e meia de reunião, o presidente do sindicato da categoria, Altino Melo dos Prazeres, afirmou que a categoria não aceitará uma proposta com reajuste inferior a dois dígitos, ou seja, menos de 10%. A categoria reivindica 16,5% de reajuste salarial.

O presidente do Metrô, Luiz Antonio de Carvalho Pacheco, afirmou após a reunião que o Metrô não consegue atingir o índice solicitado pelos metroviários. Segundo Pacheco, o reajuste de 8,7% somado a reajustes no vale-refeição e no vale-alimentação representam um aumento total de 10% a 13%.
Mais cedo, por volta das 10h, representantes da categoria fizeram um ato na Praça da Sé.

Não há greve prevista para a CPTM. Os sindicatos dos Ferroviários de São Paulo (funcionários das linhas 7 e 10) e Central do Brasil (linhas 11 e 12) afirmam que já fecharam suas campanhas salariais. O G1 não havia conseguido contato com os diretores do Sindicato dos Ferroviários da Sorocabana (linhas 8 e 9) até a publicação desta reportagem.

Ato

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo – que representa funcionários do Metrô nas linhas 1, 2, 3 e 5 da capital paulista – aprovou a greve em assembleia na terça-feira (27). A categoria ainda pretendia trocar a greve por catraca livre, mas o governador Geraldo Alckmin já recusou a sugestão.

O presidente do sindicato, Altino Melo dos Prazeres, explicou que a greve deve começar na madrugada, entre 4h e 5h. "Não há como interromper exatamente à meia-noite. O pessoal vai concluir o turno até a 1h, 2h (da madrugada) e depois o pessoal do turno seguinte não entra para trabalhar", explicou.

A categoria já tinha declarado estado de greve no dia 20, período no qual os motoristas de ônibus faziam paralisação na cidade. Desde quinta (22), parte dos funcionários passou a trabalhar sem o uniforme do Metrô e a usar coletes da campanha salarial.

O Metrô informou que “está aberto ao diálogo” para chegar a um acordo com os funcionários e que “confia no bom senso da categoria” para que os usuários não sejam prejudicados.

G1

RESPONSABILIDADE

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.