17 de junho de 2014

Sindicato condenado por atrasar obras da Linha 15 do Metrô

A Justiça do Trabalho considerou abusiva a paralisação dos operários que trabalham nas obras da Linha 15 - Prata do Metrô, que vai ligar a Estação Vila Prudente até  Cidade Tiradentes, ambos bairros da Zona Leste da capital paulista.  Para o  TRT (Tribunal Regional do Trabalho), não havia justificativa para os trabalhadores do Consórcio Monotrilho Leste, responsável pela obra, cruzarem os braços. Os operários retomaram às atividades na sexta-feira..

 O julgamento  ocorreu na semana passada, quando o TRT determinou a volta imediata ao trabalho. O tribunal ordenou também que os trabalhadores façam a  reposição dos dias de greve com duas horas a mais por dia. Segundo o Consórcio Expresso Monotrilho Leste,  a greve ocorreu “em função da reivindicação de dissídio da categoria, pois não houve acerto entre o sindicato patronal e o sindicato dos trabalhadores”.

Os manifestantes são vinculados ao Sindicato da Construção Pesada , mas também receberam apoio do Sindicato dos Metroviários. Esta é a segunda vez que a categoria se envolve em ações conjuntas com os metroviários neste ano. Antes do Carnaval, os trabalhadores também realizaram manifestações. Na época, Altino Prazeres, presidente do Sindicato dos Metroviários, esteve várias vezes na obra dando orientações aos trabalhadores e defendendo a paralisação. “No mundo real, não tem advogado, não tem Justiça que vai obrigar a empresa a fazer isso ou a fazer aquilo. O que obriga mesmo é o prejuízo que eles vão ter. Então, enquanto estiver parado (o trabalho), eles (empresas) vão correr atrás”, disse a trabalhadores de outra categoria, incentivando a paralisação da obra de ampliação do Metrô que vai beneficiar milhares de pessoas na Zona Leste.

 Em nota, o Metrô afirmou que  “o consórcio considera legítima a luta do sindicato em favor dos trabalhadores da categoria. No entanto, estranha a ingerência de sindicatos de outras categorias em ações e piquetes realizados tanto na greve de fevereiro quanto nesta mais recente. E lamenta que uma greve considerada abusiva pelo próprio TRT prejudique o cronograma de entrega de uma obra de mobilidade vital para a população de São Paulo”. A empresa explica ainda que “as reivindicações feitas no dissídio coletivo pelo sindicato dos trabalhadores  já tinham sido atendidas pelo consórcio na paralisação ocorrida em fevereiro passado”.

Diário de SP
Comentários
0 Comentários
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
Observações:

  • Último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.
  • A transferência entre linhas é garantida desde que o usuário esteja em sua última estação de transferência até as 00h. Para mais informações, confira o Regulamento de Viagem. ​​​​
De domingo a 6ª feira, das 4h à meia-noite, e aos sábados das 4h à 1h (sentido único, do centro de São Paulo para os bairros e municípios da Região Metropolitana).