28 de julho de 2016

Obras de modernização alteram circulação dos trens neste fim de semana

Compartilhe
Neste final de semana, dias 30 e 31 de julho, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) prosseguirá com as obras de modernização em suas linhas. Por isso, os trens circularão com maiores intervalos em trechos e horários específicos. Confira a programação e planeje sua viagem:

Linha 7-Rubi (Luz – Francisco Morato)

Sábado e domingo: das 20h de sábado à meia-noite de domingo, serão realizadas obras de modernização no sistema de rede aérea entre as estações Perus e Caieiras. O intervalo médio dos trens será de 15 minutos entre as estações Luz e Pirituba e, de 30 minutos, entre Pirituba e Francisco Morato.

Extensão Linha 7-Rubi (Francisco Morato-Jundiaí)

Domingo: das 4h às 13h, haverá serviços nos equipamentos de via permanente entre as estações Campo Limpo Paulista e Várzea Paulista. Neste período, o intervalo médio dos trens será de 35 minutos entre as estações Francisco Morato e Jundiaí.

Linha 8-Diamante (Júlio Prestes – Itapevi)
 
Domingo: das 4h à meia-noite, serão executadas obras de modernização no sistema de rede aérea entre as estações Barueri e Jandira e no trecho entre Lapa e Presidente Altino. O intervalo médio dos trens será de 30 minutos entre as estações Júlio Prestes e Itapevi.
 
Linha 9-Esmeralda (Osasco – Grajaú)
 
Sábado: das 21h até o fim da operação comercial, haverá intervenções no sistema de sinalização nas imediações da Estação Presidente Altino e a circulação ficará interrompida entre as estações Osasco e Presidente Altino. Para completar a viagem, os usuários deverão utilizar os trens da Linha 8-Diamante. A partir das 21h, também ocorrerão serviços nos equipamentos de via permanente nas proximidades da Estação Jurubatuba. O intervalo médio entre os trens será de 15 minutos entre as estações Presidente Altino e Grajaú.
 
Domingo: das 4h à meia-noite, a circulação permanecerá interrompida entre as estações Osasco e Presidente Altino, em razão de serviços no sistema de rede aérea. Para completar a viagem, os usuários deverão utilizar os trens da Linha 8-Diamante.

Das 4h às 19h, também serão realizadas obras de modernização nas imediações da Estação Grajaú e intervenções entre as estações Pinheiros e Cidade Jardim, entre Morumbi e Granja Julieta e no entorno de Jurubatuba. Neste período, o intervalo médio entre os trens será de 25 minutos entre as estações Presidente Altino e Grajaú.
 
Linha 10-Turquesa (Brás – Rio Grande da Serra)
 
Domingo: das 7h40 às 18h40, haverá serviços de conservação na Estação Brás. O intervalo médio entre os trens será de 15 minutos entre as estações Brás e Rio Grande da Serra.
 
 
Linha 11-Coral – Expresso Leste (Luz – Guaianases)
 
Domingo: em razão das obras de modernização entre Guaianases e Estudantes, que impactarão no intervalo programado para a extensão, o intervalo médio entre as estações Luz e Guaianases será adequado para 15 minutos.
 
Extensão Linha 11-Coral (Guaianases – Estudantes)
 
Sábado: das 20h até o final da operação comercial, devido as obras de modernização da Estação Poá, o intervalo médio dos trens será de 22 minutos entre as estações Guaianases e Estudantes.

Domingo: das 4h às 7h, as obras de modernização da Estação Poá serão retomadas e o intervalo médio entre os trens será de 22 minutos entre as estações Guaianases e Estudantes, neste período. Das 7h à meia-noite, haverá intervenções nos equipamentos de via permanente nas proximidades da Estação Suzano. O intervalo médio entre os trens será de 30 minutos, entre Guaianases e Estudantes.

Linha 12-Safira (Brás – Calmon Viana)
 
Domingo: das 4h à meia-noite, serão executados serviços nos equipamentos de via permanente entre as estações Tatuapé e Engenheiro Goulart. O intervalo médio dos trens será de 18 minutos em toda a linha.

 
Desafio: A CPTM ressalta que executar as obras de modernização, mantendo simultaneamente o atendimento aos usuários, é um grande desafio. As ações exigem medidas como promover intervenções em horários de menor movimentação de passageiros aos finais de semana, feriados e madrugadas.
 
Em caso de dúvidas ou informações complementares, a CPTM coloca à disposição o Serviço de Atendimento ao Usuário: 0800 055 0121.


CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos

27 de julho de 2016

Alstom suministrará nuevos trenes Metropolis y coches para la línea 1 del Metro de Lima

Compartilhe
Contrato por un valor aproximado de €200 millones en Perú

 Alstom suministrará nuevos trenes Metropolis y coches para la línea 1 del Metro de Lima

27 de julio del 2016 - Alstom ha firmado un contrato valuado en aproximadamente €200 millones con Graña y Montero Ferrovías para suministrar 120 coches Metropolis (20 trenes) para la línea 1 del Metro de Lima, así como 19 nuevos coches para completar los trenes existentes[1] ya en servicio en la misma línea. La entrega de los 139 coches Metropolis está programada para ser completada en 2019.

La línea 1 del Metro de Lima tiene 34km de extensión e incluye 26 estaciones. Cruza la ciudad desde el Sur ‘Villa El Salvador’ hasta el norte ‘San Juan de Lurigancho’. El número de pasajeros, que ha ido creciendo desde que la línea se abrió en el 2011, es de aproximadamente 320,000 por día.

Con los 20 nuevos trenes Metropolis compuestos de seis coches cada uno, así como los 19 coches que extenderán los trenes de cinco a seis coches, Graña y Montero Ferrovías tendrá más del doble de la capacidad de transporte, de 20,000 pasajeros por hora para 48,000.

“Nos gustaría agradecer a Graña y Montero Ferrovías por otro voto de confianza. Con este nuevo pedido, más pasajeros podrán desplazarse diariamente a bordo de una solución de metro que es confiable, confortable y respetuosa con el medio ambiente. Bien establecido en la región de América Latina, tenemos el compromiso de hacer de este proyecto un éxito y acompañar al Perú y a la región en sus diferentes proyectos de  movilidad” dijo Michel Boccaccio, Vicepresidente Senior de Alstom América Latina.

Los trenes Metropolis serán fabricados en la instalación de Alstom localizada en Santa Perpetua, Barcelona (España) donde se fabricaron los trenes ya en servicio.

Por: Alstom 

22 de julho de 2016

Estação Santo Amaro da CPTM recebe show de forró

Compartilhe
Projeto “Espalha Brasa” anima usuários da Linha 9-Esmeralda
 
As estações da CPTM recebem apresentações de forró tradicional, do projeto “Espalha Brasa”, para alegrar as tardes dos usuários. O próximo show acontece no dia 27 de julho (quarta-feira) na Estação Santo Amaro, na Linha 9-Esmeralda. Os usuários poderão curtir as canções ligadas à cultura nordestina, a dupla Nininho de Uauá e Dedé Florêncio e o Trio Marrom farão os shows, às 16h30 e às 18h, respectivamente.
 
As próximas estações que receberão os shows são Tatuapé (linhas 11-Coral e 12-Safira) no dia 31 de agosto e Osasco (linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda), no dia 14 de setembro. Ao todo, serão 24 trios que farão apresentações gratuitas para os usuários da CPTM, sempre às 16h30 e às 18h.
 
Músicos
Nininho de Uauá é cantor e compositor, nasceu no povoado Sítio do Tomaz, em Uauá-BA. Sua música é influenciada pelo espírito do sertão, pelas paisagens, pela mulher, pelas lendas e costumes do povo, pela fauna, flora, pela caatinga nordestina e pelo sentimento de respeito às tradições.
 
Dedé Florêncio também é cantor e compositor, nasceu na Paraíba, radicado em São Paulo há mais de vinte anos. Sua influência musical é Jorge de Altinho, Nando Cordel, Dominguinhos e Luiz Gonzaga, dentre outros. Participou do filme “Os Ventos que Virão” e gravou três CDs.
 
O Trio Marrom tem 33 anos de carreira e é liderado por Curisco, que durante 19 anos, foi músico do Dominguinhos. O grupo mantém a tradição do forró tradicional.
 
O projeto “Espalha Brasa”
Idealizado por Zé Geraldo, produtor cultural, pesquisador e radialista, o projeto surgiu para resgatar, preservar e divulgar o forró tradicional por meio de shows gratuitos, debate, programas de rádio e da “Forroteca Espalha Brasa”, novo projeto de estímulo à leitura em bibliotecas que mescla forró com literatura.
 
O projeto é patrocinado pela Prefeitura de São Paulo através do Programa VAI (Valorização de Iniciativas Culturais), que tem o objetivo de apoiar financeiramente atividades artístico-culturais na cidade, fomentando e desenvolvendo o segmento cultural e, por consequência, oferecendo aos cidadãos novos horizontes.
 
Ao longo dos últimos anos o Espalha Brasa já realizou ações com os nomes mais importantes do forró tradicional, como Edson Duarte e Tiziu do Araripe em temporada no Sesc, Anastácia, Trio Nordestino, os 3 do Nordeste, Trio Sabiá, dentre outros.
 
Serviço:
 
Projeto “Espalha Brasa” na Estação Santo Amaro da CPTM
Dia 27 de julho (quarta-feira)
- Nininho de Uauá e Dedé Florêncio, às 16h30
- Trio Marrom, às 18h
 
Próximas Estações:
31/08 – Tatuapé
14/09 - Osasco
 
CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos

20 de julho de 2016

Ligação de estação de trem a aeroporto de Guarulhos será improvisada

Compartilhe
Após sucessivos atrasos, a ligação sobre trilhos entre a cidade de São Paulo e o aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, deve ser inaugurada no primeiro semestre de 2018. Mas os passageiros otimistas com o novo prazo já devem se preparar para lidar com improvisos no trajeto do desembarque do trem à entrada dos terminais de voo.

A chegada pela nova linha da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) será numa estação perto do terminal 1 (com voos da Azul e da Passaredo), mas longe dos principais embarques a cerca de 2 km do terminal 2 e a 3 km do terminal 3.

Pelo acordo firmado com a gestão Geraldo Alckmin (PSDB), a concessionária do aeroporto prometia um monotrilho para fazer essa transferência. Mas a obra, orçada em US$ 40 milhões, nem sequer começou e não deverá ficar pronta a tempo.

Segundo a Folha apurou, a GRU Airport, responsável pelo aeroporto desde 2012, admitiu a membros do governo que levará pelo menos 18 meses a mais que a abertura da estação para concluir o monotrilho e transportar, gratuitamente, passageiros aos seus destinos finais em Cumbica.
Uma alternativa provisória mencionada por técnicos da companhia seria a extensão do ônibus entre terminais até a estação da CPTM.

Pesa contra essa ideia, contudo, o descompasso entre a quantidade de pessoas transportadas por um trem (até 2.600) e por um ônibus (até 80), além do atual intervalo de até 15 minutos entre as viagens entre terminais. Um monotrilho tem capacidade para transportar mais de 400 pessoas por deslocamento.

O projeto original do Estado previa a construção da estação em distância que os passageiros pudessem caminhar até as áreas de check-in. Ele acabou revisto após a decisão da concessionária de construir um shopping no local escolhido e seu compromisso de, em troca, transportar os usuários aos terminais.
A viagem de trem do centro de SP até Cumbica deve levar aproximadamente meia hora. O intervalo de partida entre os trens será de oito minutos. A tarifa será igual à do resto do sistema metroferroviário atualmente em R$

Um ônibus executivo para esse trajeto custa R$ 45,50. Atualmente, a única opção para quem deseja ir até Cumbica usando transporte público coletivo é um ônibus da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) que sai da estação Tatuapé, com preço de R$ 5,55.

EM CONSTRUÇÃO - 

Linha 13-jade só vai chegar até o terminal 1 do aeroporto de Guarulhos
Com a futura obra, a integração entre metrô e trem será feita na estação Brás, onde o passageiro deverá pegar a linha 12-safira até a estação Engenheiro Goulart, ponto inicial da nova linha, na zona leste de São Paulo. De lá, seguirá por 12 km pela linha 13-jade até Cumbica.

Para chegar ao destino final, a obra precisa superar desafios de engenharia, como a Folha verificou na primeira visita monitorada à linha 13-jade. Haverá pontes sobre o rio Tietê, sobre o rio Baquirivu, já em Guarulhos, e sobre as rodovias Ayrton Senna, Dutra e Hélio Smidt que dá acesso ao aeroporto.

O investimento do Estado nas obras é de R$ 1,8 bilhão. As estimativas iniciais previam 130 mil pessoas transportadas por dia na nova linha, mas técnicos avaliam que a demanda hoje tende a ser maior, entre passageiros e funcionários do aeroporto.
Em nota, a GRU Airport informa que "está avaliando as alternativas técnicas" e que o "cronograma do projeto" não especificamente do monotrilho, mas de alguma opção de transferência"está em linha com o prazo de entrega das obras" da CPTM.

Quatro anos atrás, o próprio grupo havia informado que a escolha mais provável era um monotrilho, "com cerca de dois quilômetros de extensão e custo estimado de US$ 40 milhões".

Além de receber intenso fluxo de passageiros, o aeroporto de Guarulhos é também o destino de mais de 35 mil trabalhadores, entre empregos diretos e indiretos. Por seu porte e pelo vasto número de voos internacionais que oferece, ligá-lo ao centro de São Paulo por trilhos, a exemplo do que acontece em grandes metrópoles internacionais, é uma velha promessa de gestões tucanas.

A conexão ferroviária é anunciada há pelo menos 14 anos. Em 2002, durante campanha pela reeleição, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) manifestava desejo de ter um "Expresso Aeroporto" pronto em 2005. Tratava-se de um projeto de ligação direta da estação da Luz até Cumbica em 22 minutos. O trem teria local para acomodar bagagem e tarifa estimada à época em R$ 20.

O plano não teve andamento, contudo, e foi reciclado em 2007, já na gestão de José Serra (PSDB). Prometia-se financiar a obra com recursos do governo federal e da iniciativa privada, com expectativa de entrega em 2010. Ainda em 2009, no entanto, nova admissão de fracasso: o trem expresso seria incluído no pacote de obras para o país receber a Copa de 2014, mas não houve empresas interessadas no projeto.

Por fim, em 2011, outra vez sob o comando de Alckmin, o governo paulista abandonou a ideia do trem expresso e optou por expandir a malha da CPTM até Guarulhos, com a criação da linha 13-jade. Desde então, houve ao menos três atrasos em relação aos prazos de entrega da linha, já anunciada para 2014, 2015 e 2016.

Dia 26 de julho comemora-se o Dia do Esperanto, língua universal criada há 129 anos

Compartilhe
Chefe da Estação Jundiaí, Eugênio Santos de Morais, participa do III Encontro de Inverno da Juventude Esperantista
 
“O esperanto vence todas as barreiras. Não pertence a nenhuma nação, nem religião, nem etnia”. Com essa definição, o chefe da Estação de Jundiaí, Eugênio Santos de Morais, explica a paixão pelo idioma que começou a estudar no início dos anos 1990.
 
Embora nenhum país tenha o esperanto como língua oficial, mais de dois milhões de homens e mulheres falam fluentemente o idioma, que está presente em 115 países. Para se ter ideia, dentre as mais de seis mil línguas existentes em nosso planeta, o esperanto figura dentre as 300 mais faladas.
 
Entre os dias 28 de julho e 1º de agosto, a Vila de Paranapiacaba receberá o 3º VINA - Encontro de Inverno da Juventude Esperantista. Com uma programação voltada para as atividades esportistas e culturais, a reunião tem como principal foco o turismo. O Chefe da Estação Jundiaí participará do evento, como guia de uma turma de jovens da cidade de Itupeva, onde reside. Aos 54 anos, Eugênio conta que o grupo reúne espíritas interessados em aprender o esperanto.
 
No entanto, uma pergunta é inevitável para todos os que praticam e são aficionados pelo Esperanto: por que não uma língua considerada “normal”, como inglês, francês ou outra qualquer? Eugênio responde que o esperanto é uma língua internacional e enfatiza que estudos realizados com crianças na Alemanha comprovaram que a linguagem tem um efeito pedagógico facilitador no aprendizado. “Quem aprende esperanto, tem 50% mais chance de aprender mais rápido qualquer outro idioma. É dez vezes mais fácil do que aprender inglês ou qualquer outro idioma”.
 
Praticante apaixonado, Eugênio iniciou seu aprendizado no período em que morava na Lapa e trabalhava na estação homônima da CPTM, onde atua desde 1984.  “O esperanto é uma língua com gramática muito simples, composta por 14 regras sem exceção”, observa Eugênio, que também dissemina o crescimento da linguagem Brasil afora, principalmente no Estado de São Paulo. “É uma língua nobre, que há mais de um século, contribuí para vencer as barreiras alimentadas pelas diferenças culturais, racionais e religiosas que ainda nos assombram nesse século 21”.

HISTÓRICO

O Dia do Esperanto é celebrado em 26 de julho, data que marca o lançamento do primeiro livro que apresentou a pronúncia, as regras gramaticais e o vocabulário da língua artificial. A linguagem auxiliar neutra foi criada, em 1887, pelo oftalmologista e filósofo polonês Ludwik Lejzer Zamenhof, para ser uma língua universal.

Aos 28 anos, quando lançou a ideia-base do esperanto como uma segunda língua para todos, Zamenhof acreditava que poderia se terminar com os litígios entre os povos se todos falassem a mesma língua.

Abalado pelas Guerras Mundiais, em 1954 o esperanto ganhou novo fôlego ao ser reconhecido pela ONU como língua. Desde então, o projeto de linguagem planejada transformou-se em uma língua viva, com cultura própria, mas internacional. O Esperanto não pertence a nenhuma nação, mas pertence a todos. A proposta é que cada povo continue a falar sua língua materna e use o esperanto nas comunicações internacionais

Nos anos 90, a linguagem foi impulsionada pela internet, que massificou sua utilização. Hoje em dia, acredita-se que existem dez milhões de falantes não fluentes e outros dois milhões de fluentes.

Em 15 de dezembro, data em que nasceu o criador dessa linguagem, também se comemora o Dia da Literatura em Esperanto ou o Dia de Zamenhof.
CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
A transferência entre linhas é garantida desde que o usuário esteja em sua última estação de transferência até as 00h.
Funcionamento das estações: das 4h às 00h (segunda a sexta e domingos) e das 4h à 1h (sábados)
.
OBS: último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.