#Texto

BLOG EM MANUTENÇÃO

As principais funcionalidades são de fácil acesso e estão disponíveis já na tela inicial:

As condições operacionais em tempo real das seis linhas da CPTM, o mapa da rede dos transportes da Região Metropolitana

Expresso Turístico da CPTM

Os mesmos trilhos que impulsionaram o desenvolvimento do Estado de São Paulo a partir da segunda metade do século XIX estão de volta para levá-lo a uma viagem inesquecível por meio da história, da cultura, da arquitetura e do meio ambiente.

Ciclovia Rio Pinheiros

Horário de funcionamento da Ciclovia: das 05h. às 19h30min.

C#

#

Loading...

26 de novembro de 2014

Prefeitura de SP estuda reajustar a passagem de ônibus para R$ 3,40

Aumento no valor da tarifa passa a valer a partir de janeiro de 2015.

Com reajuste, subsídio da Prefeitura vai cair para R$ 1,4 bilhão.

A Prefeitura de São Paulo estuda reajustar o valor da tarifa dos ônibus municipais da capital paulista a partir de janeiro de 2015 para R$ 3,40, segundo estudos da São Paulo Transportes (SPTrans). O anúncio do aumento deve ser feito no fim de dezembro.

Com o reajuste, o valor do subsídio que a Prefeitura paga às empresas de transporte urbano cai do atual R$ 1,6 bilhão para R$ 1,4 bilhão ao ano, de acordo com dados da administração municipal. Se o reajuste não for aplicado, a Prefeitura terá que pagar R$ 2 bilhões para subsidiar o valor das passagens.

Em junho de 2013, o prefeito Fernando Haddad (PT) revogou o reajuste da tarifa de ônibus de R$ 3,20 e manteve o preço da passagem nos atuais R$ 3 após uma série de protestos, organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL), contra o aumento. A tarifa está congelada desde 2011.

De acordo com o estudo, se fosse levado em conta somente a inflação acumulada no período, a tarifa seria reajustada em R$ 3,75. No entanto, esse valor pesaria muito no bolso dos usuários do transporte público e poderia gerar uma nova onde de protestos.

Na tentativa de diminuir o impacto nas finanças dos passageiros, a previsão é que o preço não seja superior a R$ 3,50.

Duas medidas podem contribuir para diminuir os custos dos cofres públicos com o subsídio: a primeira é a sanção da presidente Dilma Rousseff do projeto de lei que altera o indexador da dívida de estados e municípios com a União e alivia a situação fiscal desses entes da federação. Com a lei vigorando, o município de São Paulo recuperaria a médio e longo prazo a possibilidade de fazer novos empréstimos.

Auditoria vai influenciar

A segunda medida depende da conclusão da auditoria sobre o sistema de transporte público de São Paulo, realizado pela consultoria Ernst & Young, que deve ser entregue no dia 10 de janeiro.

A auditoria foi realizada após os protestos contra o aumento das passagens, para examinar as planilhas de custos e de remuneração das empresas de ônibus. Com os dados em mãos, a Prefeitura pretende realizar uma nova licitação mais equilibrada do sistema.

Subsídio

Atualmente, 70% do valor da passagem é custeada pelos passageiros; 10% do valor são custeados pelos empresários do setor e 20% pelo poder público, ou seja, pela Prefeitura através de subsídios.

Em 2012, as empresas de ônibus receberam cerca de R$ 1 bilhão em subsídios. Em 2013, com o lançamento do Bilhete Único Mensal, a contrapartida para o sistema de ônibus foi de R$ 1,25 bilhão. E, neste ano, foi gasto R$ 1,6 bilhão.

G1

25 de novembro de 2014

'Problema técnico' afeta circulação da Linha 4-Amarela por 40 minutos

Um "problema técnico" afetou a circulação dos trens da Linha 4-Amarela, operada pela concessionária privada ViaQuatro, no início da noite de ontem, segunda-feira (24), em São Paulo (SP). A linha operou com velocidade reduzida e maior tempo de parada nas estações das 18h30 às 19h10.

 

A assessoria de imprensa da ViaQuatro não soube explicar o motivo do problema, mas garantiu que a circulação dos trens já tinha sido normalizada. "O usuário da plataforma demora um pouco mais para sentir essa normalização", disse a assessoria ao justificar às multidões nas estações.

 

No Twitter, alguns usuários notificaram o problema na Linha 4-Amarela. Pedro Lima (‏@pedroslima) disse que o trem em que estava foi até a estação Luz, não abriu a porta e voltou para o túnel, sem qualquer notificação do que estava acontecendo.

 

Metrô da linha amarela foi na luz não abriu a porta e voltou para o túnel e aqui estamos aguardando ele anunciar que não há strings nele.

— Pedro Lima (@pedroslima)

 

Relato similar foi feito por Uedinha (‏@uedagrill), que disse que um trem da Linha Amarela teria chegado na estação Luz, a porta da plataforma teria aberto, mas a da composição não.

 

metrô linha amarela na luz o trem veio, abriu a porta da plat. mas não abriu do trem. começou a ir embora com todos quando parou pela metade.

— Uedinha (@uedagrill)

24 de novembro de 2014

Homem cai na linha do metrô e passageiros têm que desembarcar do trem fora da plataforma

O funcionamento das linhas teve que ser paralisado por cerca de 20 minutos

 

Um usuário do metrô caiu na linha do trem na estação do Brás na tarde de ontem, domingo (23). A estação da linha Vermelha teve que suspender o funcionamento por cerca de 20 minutos.

 

Os passageiros que estava no trem que chegava à estação tiveram que descer na passarela, fora da plataforma.

 

Ainda não há informação sobre o que causou o acidente e nem a condição de saúde do usuário.

 

 

R7

CARLA CARNIEL/FRAME/ESTADÃO CONTEÚDO

23 de novembro de 2014

Grande ABC representa 7% dos usuários de trens

“A literatura acaba sendo minha principal companheira durante todo o trajeto”. Assim começa a descrição do cotidiano da cantora lírica Yvy Szot, 18 anos. Moradora de São Bernardo, a jovem, que está se preparando para a apresentação do musical A Danação de Fausto, na Sala São Paulo, na próxima semana, é um dos 204 mil passageiros que embarcam diariamente nas estações de trem da Linha 10 – Turquesa da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) no Grande ABC.

Se for levada em consideração a média de 2,8 milhões de usuários transportados diariamente por todas as estações da CPTM, os moradores do Grande ABC representam 7% do total.

Após sofrer no ano passado queda de 11,26% em sua média diária de usuários transportados, a Linha 10, que atende cinco municípios da região, caminha para fechar 2014 com montante de passageiros superior ao de 2013, quando teve média de 348,2 mil usuários por dia no trajeto entre as estações Rio Grande da Serra e Brás. Segundo a CPTM, até a primeira quinzena deste mês, a média diária de passageiros que percorreram o trecho girava em torno dos 354 mil, número 1,67% superior ao ano anterior.

Os usuários que embarcam em uma das estações do Grande ABC representam 58% do total que utiliza a linha. Só para se ter uma base, o número de passageiros transportados na região é superior a quantidade de moradores de São Caetano e Rio Grande da Serra juntos, de acordo com dados populacionais divulgados em 2013 pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Uma dessas usuárias diárias é a atendente de fast-food Fernanda Aguiar da Silva Santos, 18, que embarca todas as manhãs na Estação Guapituba, em Mauá. “É o meio mais rápido para chegar ao trabalho. Pego o trem por volta das 11h e retorno às 21h. Sempre está lotado”, relata a jovem, que usa o tempo de ida para se maquiar. “Saio rápido de casa. Já de noite volto tão cansada que sento no chão.”

Apesar de possuir automóvel, o advogado Luiz Gustavo, 32, é outro que prefere usar o meio de transporte. O profissional, que tem um escritório na Avenida Paulista, na Capital, justifica a escolha pela otimização do tempo. “De trem gasto cerca de 45 minutos fazendo integração com o Metrô. Já de carro, gastaria cerca de 1h30 para chegar ao trabalho.”

Mas há quem use o transporte também para diversão. Desempregada, Eliane Jesus dos Santos, 31, aproveitou o feriado prolongado para viajar de trem. “Geralmente uso para ir ao médico, mas dessa vez vou para a rodoviária. Hoje é dia de praia!”

Modernização deve atrair mais gente

Com o objetivo de oferecer infraestrutura melhor e atrair cada vez mais usuários, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) investe na modernização de suas estações no Grande ABC. Com arquitetura moderna, os projetos das novas estações contemplam a readequação funcional para comportar maior volume de passageiros.


As novas estações vão dispor de plataformas totalmente cobertas e com todos os itens de acessibilidade. Alguns dos projetos vão ser feitos com recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) Mobilidade, como é o caso das estações de Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires, Guapituba, Prefeito Saladino e Utinga, e aguardam a liberação dos recursos por parte do governo federal para publicar os editais de contratação das obras de reforma.


Em relação às estações São Caetano e Mauá, a abertura das licitações está prevista para o primeiro semestre do próximo ano, de acordo com a CPTM. No caso de Santo André e Capuava, em maio a companhia contratou empresa para elaborar os projetos básico e executivo.

“Acredito que as reformas vão otimizar ainda mais o trajeto. Além disso, não vejo a hora de sair o metrô da região (Linha 18 - Bronze)”, relata a moradora do Baeta Neves, em São Bernardo, Ivy Szot. Atualmente, ela pega um ônibus até Santo André para depois iniciar seu trajeto via linha férrea até a Capital.

Aplicativos para celular otimizam o tempo gasto na viagem

Cerca de uma hora é o tempo gasto por moradores do Grande ABC dentro de trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Mas afinal, o que fazer durante a viagem?

Uma das opções fica por conta dos aplicativos de celulares. A auxiliar de primeira infância Thais de Souza Santos, 27 anos, é uma adepta da tecnologia. “Quando não estou em período de prova, minha principal distração no trem é o celular. Entro no Facebook, site de notícias, são vários”, relata a moradora de Mauá.

Um dos aplicativos disponíveis para viagem é o Bizubuzu, cujo objetivo é preencher seu tempo ocioso dentro do meio de transporte para estudar, se qualificar e melhorar profissionalmente.

E que tal fazer exercícios básicos de línguas? No aplicativo 50 línguas (grátis para iOS e Android) é possível treinar diversos idiomas, inclusive o Português.

Mas, existe quem prefira ouvir música, como é o caso do analista de recursos humanos Iago Nóbrega Souto, 22. “As formas são diversas (de distração dentro do trem). Músicas, leitura, redes sociais, isso quando umas das bizarrices cotidianas do trem não vira centro da atenção de todos os passageiros.”

Diário do Grande ABC

22 de novembro de 2014

Obras alteram circulação nas linhas da CPTM neste fim de semana

As estações da Linha 4-Amarela do metrô estarão abertas, segundo a ViaQuatro

As obras de modernização ocorrem quase todo fim de semana 

Neste fim de semana, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) prosseguirá com as obras de modernização em suas linhas. Por isso, os trens circularão com maiores intervalos em trechos e horários específicos. Confira os detalhes:

Linha 7-Rubi (Luz – Francisco Morato – Jundiaí)

Sábado (22): das 20h30 até o fim da operação comercial, a circulação ficará interrompida entre as estações Palmeiras-Barra Funda e Pirituba. Para atender aos usuários, serão disponibilizados ônibus de conexão entre as estações Palmeiras-Barra Funda e Pirituba, onde haverá parada para embarque e desembarque. As senhas para utilização dos ônibus de conexão deverão ser retiradas nas estações. O intervalo médio será de 16 minutos entre Luz e Palmeiras-Barra Funda e de 20 minutos entre Pirituba e Jundiaí.

Linha 8-Diamante (Júlio Prestes – Itapevi – Amador Bueno)

Domingo (23): das 21h30 até meia-noite, haverá intervenções entre as estações Domingos de Morais e Osasco. O intervalo médio será de 15 minutos em toda a linha.

Linha 9-Esmeralda (Osasco-Grajaú)

Domingo: das 21h30 até meia-noite, a circulação ficará interrompida entre as estações Osasco e Presidente Altino. Para completar a viagem, será necessário fazer a transferência para os trens da Linha 8-Diamante. O intervalo médio será de 10 minutos entre as estações Presidente Altino e Grajaú.

Linha 10-Turquesa (Brás-Rio Grande da Serra)

Domingo: das 4h às 18h, os trabalhos ocorrerão entre as estações Guapituba e Ribeirão Pires. O intervalo médio será de 10 minutos entre Brás e Mauá e de 30 minutos entre Mauá e Rio Grande da Serra.  Das 21h até meia-noite, os trabalhos estarão concentrados nos equipamentos de via permanente nas proximidades da estação Mooca.

Linha 11-Coral / Expresso Leste (Luz-Guaianazes)

Sábado: das 20h30 até o fim da operação, serão executados serviços entre as estações Brás e Corinthians-Itaquera. O intervalo médio será de 11 minutos entre Brás e Luz e de 25 minutos entre Luz e Guaianazes.

Linha 11-Coral / Extensão (Guaianazes – Estudantes)

Sábado: das 20h30 até o fim da operação, a circulação ficará interrompida entre as estações Guaianazes e Jundiapeba. O intervalo médio será de 15 minutos entre Jundiapeba e Estudantes. Para atender aos usuários, serão disponibilizados ônibus de conexão entre as estações Guaianazes e Jundiapeba, com parada nas estações Antônio Gianetti, Calmon Viana e Suzano para embarque e desembarque. As senhas para utilização dos ônibus de conexão deverão ser retiradas nas estações.

Linha 12-Safira (Brás – Calmon Viana)

Sábado: das 20h30 até o fim da operação comercial, as obras ocorrerão entre as estações USP Leste e Comendador Ermelino. O intervalo médio será de 25 minutos em toda a linha.

Domingo: das 13h até meia-noite, as obras no sistema de rede aérea e nos equipamentos de via permanente estarão concentrados entre Comendador Ermelino e São Miguel Paulista. O intervalo médio será 25 minutos em toda a linha.

Linha Amarela

Todas as estações da Linha 4-Amarela estarão abertas durante o final de semana, afirmou a ViaQuatro, concessionária responsável pelo trecho.

21 de novembro de 2014

Ônibus pode ter reajuste de tarifa para R$ 3,40

Reunidos na Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad (PT) e prefeitos petistas de sete cidades da região metropolitana discutiram na última terça-feira, 18 em uma “tarifa única” para o transporte coletivo em 2015. O jornal O Estado de S. Paulo apurou que o valor estudado fica entre R$ 3,40 e R$ 3,50.

A proposta deverá ser levada ao governador Geraldo Alckmin (PSDB) na próxima terça-feira, 25, durante a reunião do Conselho Metropolitano, para um possível aumento com o Metrô e com a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Na saída do encontro, o prefeito de Embu das Artes, Chico Brito (PT), escalado para ser o “porta-voz” do grupo, admitiu que as tarifas é um dos temas a ser levado a Alckmin. “O tema da mobilidade e da tarifa são pautas que queremos levar [ao governador] na instância do Conselho [Metropolitano]. Queremos dar força e musculatura para esse conselho, porque são pautas conjuntas”, afirmou. Ele disse ainda que a crise hídrica esteve na pauta. “A gente debateu o assunto da água, que é a questão mais emergencial.”

Já o prefeito paulistano Fernando Haddad negou que o aumento da tarifa tenha sido uma das pautas dos petistas. “O único assunto do encontro foi a crise hídrica. Vocês estão querendo forçar uma situação”, disse.

Segundo Haddad, nenhuma decisão será tomada antes da conclusão de auditoria nas contas dos transportes, prevista para 10 de dezembro.

Metrô News

Lotação supera o limite aceitável em 3 linhas da CPTM

Apesar de colocar mais 24 trens em operação, aumentar em 6% a oferta de composições no horário de pico e crescer em 7% o número de viagens diárias na comparação com 2010, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) fechou 2011 com três das sete linhas acima do limite tolerável de conforto (6 passageiros por metro quadrado). Os dados estão no recém-divulgado Relatório da Administração de 2011 da companhia.

 

As linhas críticas, segundo a própria CPTM, são a 7-Rubi, 11-Coral e o Expresso Leste (serviço que funciona em conjunto com a Linha 11). Mas a Linha 12-Safira chega quase lá: 5,6 passageiros por metro quadrado.

 

Somadas, essas linhas transportaram uma média de 1,15 milhão de usuários por dia no ano passado. Significa dizer que metade dos 2,3 milhões de usuários diários de toda a rede da CPTM viaja no limite do desconforto. Cada passageiro percorre, em média, uma distância de 20,3 quilômetros nesse aperto, em cerca de 30 minutos, ainda segundo os dados do relatório.

 

No ano passado, a CPTM teve aumento de 9% no total de usuários em relação a 2010, quando transportou 2,1 milhões de pessoas por dia. Mas as linhas "desconfortáveis" tiveram aumento de apenas 4% na comparação com o ano anterior.

 

O índice de 6 passageiros por m² é uma medida adotada internacionalmente para avaliar o quanto um sistema de transporte é desconfortável. "A concentração dos passageiros é, praticamente, em dois horários. Das 5h30 às 7h30 e das 17h às 19h. Só esses dois horários representam 50% de toda a movimentação de passageiros", diz o diretor de Relacionamento da CPTM, Sérgio Carvalho Júnior. Foi a primeira vez que o índice esteve no relatório, portanto, não é possível fazer comparação com outros anos.

 

Campeã

 

De cada dois passageiros novos que a CPTM ganhou em 2001, um foi para a Linha 9-Esmeralda. Sozinha, essa linha ganhou mais 98 mil usuários por dia, em média, na comparação entre 2010 e 2011 - um aumento de 36%. O motivo é a expansão da rede metroviária. Esse ramal, que sai do Grajaú, na zona sul, e vai até Osasco, na Grande São Paulo, passando pela Marginal do Pinheiros, ainda não era integrado ao Metrô em 2010. Com a integração com a Linha 4-Amarela, houve uma redução no tempo de viagem até o centro e a linha ficou mais atrativa.

 

Nesta terça-feira, a linha teve mais uma falha na rede elétrica, que interrompeu a circulação entre as Estações Presidente Altino e Osasco desde o começo da manhã. Os usuários tiveram de utilizar a Linha 8-Diamante para contornar essas duas paradas.

 

Outra pane, em 14 de março, já havia motivado a CPTM a fechar a linha aos domingos para acelerar obras de modernização. A CPTM promete reduzir o intervalo entre trens de 5 para 3 minutos até 2014, quando todas as obras terminarem.

 

Projeções

 

A perspectiva até 2014, ainda de acordo com o relatório da companhia, é de melhora. Se todas as promessas de modernização forem cumpridas, nenhuma linha será tão superlotada. Mas o líder no quesito aperto continuará sendo o Expresso Leste, com 5,8 passageiros por m². E o Expresso ABC, linha prometida para 2014 que vai ligar a Estação Luz a Mauá, paralela à Linha 10-Turquesa, já vai nascer no limite do conforto: 5,9 passageiros por m². A Linha 10, por outro lado, é a que deve melhorar mais esse índice, passando dos atuais 5,1 para 2,9 passageiros por m².

 

O destaque, entretanto, é a perspectiva de piora da Linha 9-Esmeralda, na Marginal do Pinheiros. Em 2014, ela deve ficar com média de 4,6 passageiros por m², contra os atuais 4. Segundo a CPTM, esse índice deve ficar estabilizado de 2015 em diante, quando a ampliação da Linha 5-Lilás do Metrô entrar em operação. A promessa é que a extensão do ramal, entre a Chácara Klabin e o Largo Treze, atraia parte dos passageiros da Linha 9.

 

Para o engenheiro Creso de Franco Peixoto, professor da Fundação Educacional Inaciana (FEI), o desconforto nas linhas de trem traz mais incômodo para o usuário do que no metrô. "No metrô, a viagem é mais curta, então o passageiro só senta se tem lugar perto. Nos trens de subúrbio, a viagem é mais longa e há uma tendência de as pessoas se moverem mais."

 

Fonte: Veja

CPTM celebra o Dia do Samba na Linha 9-Esmeralda

A CPTM realizará a 8ª edição do projeto "Samba no Trem", no domingo 30/11, a partir das 12h, na Linha 9-Esmeralda. O evento, que mobiliza as comunidades da zona Sul, promove uma viagem que remete à época em que os sambistas tocavam seus instrumentos nos antigos trens que circulavam nas estradas de ferro, no Estado de São Paulo.

Neste ano, a escola de samba "Boêmios da Vila" será homenageada pelos seus 25 anos. Porta-bandeiras entre outros integrantes da agremiação farão uma "esquenta", a partir das 12h, quando começa a concentração na plataforma da estação Grajaú, de onde sairá o trem reservado para o evento.

Às 13h, o trem com os sambistas, distribuídos em todos os carros, seguirá rumo à estação Osasco, sem parar nas demais estações. A composição retornará para a Estação Socorro, onde os participantes irão desembarcar, encerrando a atividade na CPTM por volta das 14h30.

São esperadas cerca de 1.200 pessoas, que transformarão o trem em uma animada passarela para quem aderir ao convite dos músicos e passistas de plantão. Equipados com instrumentos acústicos, os grupos que animarão a viagem integram a comunidade do samba paulistano.

Nomes como o Samba de Todos os Tempos, Samba da Cultura, Samba da Ponte, Pagode da 27, Pagode do Cafofo, Quem Samba Fica, Tempo do Onça, Samba da Praça, Samba da Vela, entre outros, agitarão o público. No repertório, canções do samba tradicional, entre as quais obras de Cartola, Adoniran Barbosa, Clementina de Jesus, João Nogueira, Bete Carvalho e Fundo de Quintal.

Dando continuidade à festa, os grupos desembarcarão na Estação Socorro e seguirão para a Praça do Samba, na Ponte do Socorro. Lá estarão reunidas variadas vertentes, como samba-rock, samba de terreiro, samba-exaltação, samba-enredo, entre outros.

O organizador de evento, Marco Antônio Cardoso Pitombo, conhecido no mundo do samba como Marquinhos Dikuã, observa que o samba está tomando força na capital paulista. "O apoio da CPTM é muito importante porque o Samba no Trem resgata nossa história. O samba é a expressão popular mais autêntica no país. Todo brasileiro tem um pouquinho dessa raiz".

O projeto Samba no Trem é uma iniciativa da CPTM realizada anualmente desde 2007 na Linha 9-Esmeralda em parceria com músicos e grupos de samba. O Dia Nacional do Samba é comemorado em 2 de dezembro.

Serviço:
Projeto Samba no Trem
Dia: 30/11, domingo
Local: Estação Grajaú
Concentração: 12h
Saída do trem: 13h
Término do evento: 14h30 na Estação Socorro

CPTM

Linha 18 acirra disputa entre comércio do ABC e da Capital

O comércio da região precisa se preparar para enfrentar concorrência mais acirrada com a Capital nos próximos anos. A disputa pelo cliente deve ficar mais difícil por conta da linha 18-Bronze do Metrô, que vai ligar São Bernardo à estação Tamanduateí, facilitando o acesso do consumidor da região a centros de compras de São Paulo.

A conclusão é de um estudo realizado pela Educa, empresa da Universidade Metodista, encomendado pela Agência de Desenvolvimento Econômico do Grande ABC e pelo Consórcio Intermunicipal.

De acordo com a pesquisa, 65% dos consumidores entrevistados afirmaram que, após o início de funcionamento do monotrilho, tendem a ampliar a frequência com que vão para a Capital para fazer compras.

Os clientes ouvidos pela Metodista disseram que pretendem ir a São Paulo comprar vestuários, calçados e eletrônicos, principalmente em regiões de comércio popular, como a rua 25 de Março e o Brás. Os principais fatores que atraem os clientes para esses locais são o preço, a diversificação de produtos e o número elevado de estabelecimentos.

Esse fenômeno de migração do consumo do ABC para São Paulo não é inédito. A pesquisa revelou que 39% dos consumidores da região passaram a comprar mais na Capital depois de 2010, quando foi inaugurada estação Tamanduateí do Metrô.

Estratégia

Para enfrentar a concorrência, o comércio do ABC vai precisar se reinventar.

"Os comerciantes vão ter que se organizar para reduzir custos e fazer compras em conjunto para aumentar a margem e comprar de forma melhor, além de apostar em variedade e promoções. Se a gente tiver isso aqui, aquele consumidor corriqueiro vai fazer pesquisas e não vai migrar para São Paulo", afirma o secretário executivo da Agência de Desenvolvimento do Grande ABC, Giovanni Rocco.

O varejo regional terá pelo menos quatro anos - tempo estimado da obra da linha 18 -, para adotar estratégias com o objetivo de competir com as áreas de comércio popular de São Paulo.

"A questão é se preparar para um ambiente de maior competição, com mais possibilidades para o consumidor. Será preciso oferecer uma estrutura e diversidade de produtos que façam frente à essa nova realidade, na medida que você tiver maior integração dos mercados e maior fluxo de mobilidade", afirma o coordenador do Observatório Econômico da Universidade Metodista, Sandro Maskio.

De acordo com Maskio, uma das prioridades deve ser o planejamento sobre como atuar no entorno das estações da linha 18. A recomendação é que o varejo se instale nesses locais, onde o fluxo de pessoas tende a ser significativo.

Da Capital para o ABC

Se por um lado o comércio da região deve ficar atento para não perder clientes para a Capital por causa do monotrilho, pode aproveitar a oportunidade para atrair consumidores de São Paulo para comprar no ABC.

Um dos passos para alcançar esse objetivo é apostar na divulgação. "O vir para cá depende quanto eu vou conseguir divulgar a minha região lá fora. São Paulo tem um jornal regional específico, a Capital está na mídia diariamente, nós não", constata o professor Sandro Maskio.

Um exemplo de sucesso é a Feira de Móveis da rua Jurubatuba, em São Bernardo, que há anos aposta na divulgação em mídias da Capital para atrair clientes de São Paulo. Os lojistas dividem os custos da propaganda na TV.

Outra estratégia é impulsionar potenciais ainda pouco explorados na região, como o turismo. "A partir do momento que você valoriza o turismo, as pessoas da Capital serão atraídas para o ABC, usando esse novo mecanismo, que é o Metrô", afirma Giovanni Rocco. "O turismo industrial, por exemplo, tem um grande potencial", conclui.

Tiago Oliveira
Fonte:  http://www.reporterdiario.com.br/

19 de novembro de 2014

Show de McCartney não terá extensão de horário do metrô

Os shows de Paul McCartney em São Paulo, hoje terça (25) e quarta-feira (26), devem trazer uma dor de cabeça para quem pretende ir de transporte público.

As apresentações estão marcadas para começar às 21h e, com cerca de 39 músicas no set, devem durar ao menos três horas, o que estouraria o horário de funcionamento do metrô. 

A estação Barra Funda, que está a 15 minutos do Allianz Parque, novo estádio do Palmeiras, tem último trem saindo da plataforma às 00h05. Assim, quem não tiver dinheiro para um táxi pode acabar perdendo o final do show ou passando a noite na rua.

Ainda assim, visando diminuir o problema, o estádio irá operar com um estacionamento com cerca de 2 mil vagas dentro do terreno da arena, além de um acordo com alguns "bolsões" (estacionamentos avulsos) no bairro. "Temos duas mil vagas de estacionamento que antes (no Parque Antártica) não tinha, com a possibilidade de comprar o ticket para outros bolsões de estacionamento que trabalharão com a gente", concluiu. 

Terra

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.