21 de janeiro de 2014

Passageiro da CPTM cria música que retrata cotidiano dos trens

Foto: Reprodução YouTube 
Conhecidos na gíria paulistana como “marretas”, os vendedores ambulantes que circulam pelos trens lotados da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) variam de idade, sexo e endereço. São crianças, idosos, homens ou mulheres, que acordam às 6h para percorrer os trilhos carregando salgadinhos, amendoins e garrafinhas de água a R$ 2.

Só param de trabalhar quando os trens deixam de circular, à noite.

Foi esse cenário que inspirou o eletricista Thiago Rodrigues, 28, a criar a canção “Linha 7-Rubi”. A música traz um histórico dos acidentes na linha que liga o centro à Grande São Paulo e retrata o cotidiano dos trabalhadores ambulantes. “Brahma, coca e água, amendoim cinquenta, na Linha 7-Rubi, liga Luz-Jundiaí. Na Linha 7-Rubi, registrei tudo ali”, canta Rodrigues em um dos trechos.

Morador de Perus, bairro da zona norte de São Paulo, quando adolescente Thiago encontrou nos trens uma forma de sustentar financeiramente sua paixão pelo skate. Tornou-se vendedor ambulante por cerca quatro meses, no ano 2000. Em um dia vendia salgadinhos; no outro, amendoim.

Para ele, apenas um trabalho temporário. Para muitos , a única forma de sustento. “Era um bico. Nesse tempo, queria comprar meus “shapes” de skate. Como minha mãe achava perigoso, não tinha onde arranjar dinheiro para comprar tênis, peças de skate, enfim, dinheiro para sustentar o esporte.”

Thiago conta que, durante o período que trabalhou nos vagões, nunca sofreu agressões, mas viu outros colegas sendo agredidos ou colocados para fora do vagão.

“Eles [os guardas] nunca me agrediram. Mas já pegaram em meu braço e tomaram minha sacola por duas vezes. Já vi marreteiro sendo agredido ou colocado para fora da estação. Acredito que deveria haver uma licença para os vendedores, alguma coisa para o marreta ser reconhecido como trabalhador, não como infrator, que é a forma como nos tratam.”

Produzida no fim 2012, a música “Linha 7-Rubi” foi criada em meio ao transtorno gerado pelas obras de manutenção e modernização das vias. Enquanto Thiago observava a fila do ônibus Paese, que substituia os trens nesses dias, criou o refrão. Os colegas ao seu redor se identificaram e começaram a improvisar em cima das batidas do violão.

Assista o vídeo
Fonte: Folha
Jéssica Moreira, 22, é correspondente de Perus.
@gegis00
jessicamoreira.mural@gmail.com
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
Observações:

  • Último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.
  • A transferência entre linhas é garantida desde que o usuário esteja em sua última estação de transferência até as 00h. Para mais informações, confira o Regulamento de Viagem. ​​​​
De domingo a 6ª feira, das 4h à meia-noite, e aos sábados das 4h à 1h (sentido único, do centro de São Paulo para os bairros e municípios da Região Metropolitana).