Direto do MetrôAtualizado em: 17/05/2018 17:41

Metrô
Linha 1 -AzulOperação Normal
Linha 2 -VerdeOperação Normal
Linha 3 -VermelhaOperação Normal
Linha 5 -LilásOperação Normal
Linha 15 -PrataOperação Normal

27 de maio de 2014

Sem reajuste de 2 dígitos, metroviários ameaçam parar

Estação do metrô de São Paulo: mais provável é que a paralisação ocorra no dia 3 de junho

Trabalhadores pedem 35% de aumento, mas o Metrô sinalizou inicialmente com 5,2%, o que não cobriria nem a inflação

O presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino de Melo Prazeres Júnior, afirmou ontem segunda-feira, 26, que, diferentemente de anos anteriores, a categoria não aceitará propostas de reajuste salarial de menos de dois dígitos e que os funcionários estão dispostos a decretar greve se a negociação não avançar nesse sentido.

Os trabalhadores pedem 35%, mas o Metrô, que é controlado pelo governo do Estado, sinalizou inicialmente com 5,2%, o que não cobriria nem a inflação segundo boa parte dos indicadores econômicos.

Nesta terça-feira, às 18h30, a categoria se reunirá em assembleia para decidir o dia da paralisação.

O mais provável é que ela ocorra no dia 3 de junho, mas não está descartada a hipótese de deflagração antes ou depois dessa data, até mesmo na semana seguinte, a da abertura da Copa do Mundo, com um jogo entre as seleções de Brasil e Croácia no dia 12, no Estádio Itaquerão, na zona leste, acessado preferencialmente de metrô e trem.

De acordo com Prazeres Júnior, a paralisação dos motoristas e cobradores de São Paulo na semana passada exerceu influência nos metroviários.

A mobilização dos rodoviários ocorreu mesmo após um reajuste salarial da categoria de 10%, quase o dobro do que foi ofertado pelo Metrô a seus empregados.

A direção sindical cobra que as tratativas da campanha salarial sejam, pela primeira vez, direto com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e não com a administração do próprio Metrô, que, de acordo com eles, não tem autonomia suficiente para ampliar as contrapropostas.

"Este ano não vai ser no tribunal (que a situação terá um desfecho)", disse o presidente da entidade.

"O governo mesmo só entra para discutir quando a gente está em greve. Já não bastam promessas que não se cumprem", afirmou o secretário intersindical dos metroviários, Sérgio Renato da Silva Magalhães.

O sindicato aventou ainda a disposição da categoria de abrir as catracas no dia da greve, para não prejudicar a população.

"Toda vez que a gente fez o desafio da catraca livre em troca da greve, o governo do Estado disse que tem problema de segurança. Mas está cheio de PM no Metrô, então é um problema de vontade política. O governo está realmente preocupado com todo o mundo que vai usar o metrô ou não?", disse Prazeres Júnior.

Intimidação

Em coletiva de imprensa realizada na sede do sindicato, Prazeres Júnior falou ainda sobre a intimação que recebeu na última sexta-feira para depor na 1ª Delegacia Seccional, no centro.

A unidade da Polícia Civil, também controlada pelo governo do Estado, investiga a paralisação dos motoristas e cobradores e queria saber se Prazeres Júnior tinha algum vínculo com o ato.

"Não tive envolvimento nenhum, embora apoiasse o movimento dos rodoviários. Tratou-se de uma tentativa de criminalizar os movimentos sociais, mas não vamos nos intimidar."

Ainda segundo Magalhães, alguns funcionários já receberam cartas da empresa, intimidando-os a não se vincular ao movimento grevista.

O sindicalista também reclamou que a empresa não valoriza a política de carreiras e que é comum jovens empregados saírem em busca de outras oportunidades.

Morte

Durante a entrevista, os sindicalistas denunciaram a morte de um trabalhador terceirizado da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) na madrugada do dia 14 de maio.

Sérgio Spadotto, que tinha 49 anos e era terceirizado, morreu atropelado por um caminhão, que estaria irregular e com as lanternas desligadas entre as Estações Granja Julieta e Santo Amaro, na Linha 9-Esmeralda, na zona sul.

Segundo Prazeres Júnior, trata-se da sexta morte por atropelamento de funcionário na rede da CPTM desde 2011

Caio do Valle, do 

RESPONSABILIDADE

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.