Loading...
segunda-feira, 21 de abril de 2014
Linha Trecho afetado Horário Circulação
7 - RubiPalmeiras-Barra Funda - Perus04:00 - 23:59Interrupção na circulação em razão de serviços programados de obras de modernização
11 - CoralGuaianazes - Jundiapeba00:01 - 23:59Interrupção na circulação em razão de serviços programados de obras de modernização
11 - CoralJundiapeba - Estudantes00:01 - 02:00Alteração na circulação em razão de serviços programados de obras de modernização
11 - CoralLuz - Guaianazes04:00 - 23:59Alteração na circulação em razão de serviços programados de obras de modernização
diariodacptm@hotmail.com

14 de maio de 2013

Mulher paga os pecados no metrô

Mulheres baixinhas e idosas têm mais dificuldade para entrar em horários de pico

Apesar de representarem 58% dos usuários, elas sofrem para se segurar no trem e sofrem assédio sexual

A vida das mulheres não é nada cor-de- rosa no Metrô de São Paulo, apesar de elas representarem 58% dos usuários, como revela pesquisa divulgada semana passada pela empresa do governo estadual. Elas levam desvantagem com os homens na disputa por espaço — principalmente as idosas e baixinhas —, têm dificuldade para se segurar, sofrem assédio sexual e, muitas vezes, chegam a arriscar a vida, aglomerando-se fora da faixa amarela de segurança para poder entrar no trem sem serem empurradas.

Muitas usuárias defendem a necessidade de vagões exclusivos para o sexo feminino nos horários de pico, a exemplo do que ocorre no Rio, mas o Metrô nem cogita essa possibilidade. A empresa diz que faz permanentemente campanhas de conscientização e orienta os usuários sobre regras do uso correto do sistema. Já especialistas em transportes estão divididos.

PICO ESTENDIDO/ “Eu acho que o Metrô deveria fazer um teste nesse sentido. Criar um vagão específico é mais complicado, mas ele poderia ser dividido com o preferencial, que já existe em horários de maior movimento, para idosos e deficientes”, diz Horácio Augusto Figueira, consultor de engenharia de transportes e palestrante.

Ele também defende a ampliação do horário de pico e a manutenção da mesma quantidade de trens o dia todo. “Se as pessoas perceberem que indo mais tarde poderão viajar sentadas, é óbvio que trocarão o horário de deslocamento e o fluxo diminuirá. Mas, com a redução de trens fora do pico, ela fica em pé a qualquer hora e vai cedo. Eu, por exemplo, esperei, nesta segunda-feira, passar cinco trens para conseguir me sentar, da Saúde ao Tucuruvi.”

Na opinião de Luiz Carlos Mantovani Néspuli, superintendente da Associação Nacional de Transportes Públicos, a criação de vagões exclusivos é discriminatória. “Adotar sistemas protegidos é como admitir que a sociedade não é capaz de se autorregular. É diferente dos casos de portadores de necessidades especiais. Se isso virar moda, logo vão querer ter vagões diferenciados para tudo”, afirma.

Outro problema para mulheres no Metrô são os banheiros das estações, quase sempre sujos, molhados e sem papéis.

Há vagões exclusivos para o público feminino no Rio

Desde abril de 2006, uma lei estadual garante às usuárias de trens e Metrô do Rio de Janeiro um vagão exclusivo, em cada composição, para viagens em horários de pico — das 6h às 9h e   das 17h às 20h.  O deputado  Jorge Picciani, autor do projeto de lei, justificou a necessidade da medida como uma forma de coibir a ação de “homens inescrupulosos”, que aproveitam a superlotação nos horários mais movimentados para molestar mulheres. Segundo a assessoria do Metrô Rio, cerca de 49% dos 649 mil usuários  diários são do sexo feminino.  Ao todo, existem 42 vagões exclusivos, identificados por uma faixa rosa externa e interna nas duas linhas do sistema.

Os homens, muitas vezes, tentam invadir os trens femininos, até porque não há lei que dê autonomia para agentes de segurança os retirarem. Porém, conscientes de seus direitos, as mulheres reclamam muito até fazê-los saírem constrangidos.

A SuperVia, responsável pela malha ferroviária do Rio,  diz que  a cada 15 minutos  há  avisos sonoros para reforçar a importância de respeito ao vagão feminino.

Homens invadiam carros em teste da CPTM

Entre 1995 e 1997, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) manteve dois vagões só para mulheres na linha Rio Grande da Serra-Jundiaí, em atendimento à reivindicação do Clube de Mães de Vila Falchi, em Mauá, no ABC, por causa de assédio. Mas a experiência não deu certo porque os homens não respeitavam e ninguém podia proibi-los em razão do princípio constitucional da igualdade entre os dois sexos e do direito de ir e vir.

Porteiro flagrado ao filmar calcinhas com celular

Em outubro do ano passado, um porteiro de 36 anos foi detido na Estação Vergueiro do Metrô ao ser flagrado filmando, com um telefone celular, a calcinha de uma advogada que subia a escada rolante.


Fonte: Rede Bom Dia

CRISTINA CHRISTIANO 
cristinamc@diariosp.com.br





Curta nossa página no facebook

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do Blog Diário da CPTM




Reações:
Comentários
0 Comentários

0 Comentários:

Google+ Seguidores

Postagens populares