1 de julho de 2015

São Paulo usará Polícia Militar para impedir serviço do Uber

São Paulo anunciou nesta quarta-feira que recorrerá à Polícia Militar para impedir o serviço do Uber, o aplicativo que põe em contato passageiros e motoristas privados, depois de a Câmara Municipal aprovar em primeira votação a proibição ao uso do recurso.

 

O secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, assinalou hoje ao instalar a Câmara Temática do Serviço de Táxi que o Uber exerce funções de forma "clandestina" e "criminosa". "O transporte público individual só pode ser feito pelo taxi", recalcou Tatto durante seu encontro com representantes do sindicato de taxistas e um dia depois de os vereadores votarem a favor do veto ao aplicativo em São Paulo.

Tatto acrescentou que seu escritório pedirá ajuda da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana para controlar o uso do Uber e investigar também a eventual evasão fiscal e o envio ilegal de remessas ao exterior que podem acontecer em decorrência do uso do serviço. Atualmente, explicou o secretário, 50 fiscais trabalham para combater as irregularidades do transporte público em São Paulo.

 

O projeto de lei que proíbe o uso de automóveis particulares neste tipo de aplicativos para o transporte remunerado de pessoas ainda deverá passar por uma segunda votação no plenário e pela sanção do prefeito paulistano, Fernando Haddad.

 

Na primeira votação, 48 vereadores se posicionaram a favor da proibição e um contra. Se a medida entra em vigor, será proibido também o uso do aplicativo em estabelecimentos comerciais atualmente conveniados ao Uber, e seu descumprimento pode ser punido com multa de R$ 1.700 e retenção do veículo.

 

Em maio, após uma série de protestos dos taxistas, que bloquearam importantes avenidas da cidade, a justiça determinou a proibição do Uber em São Paulo, mas após um recurso apresentado pela empresa voltou a autorizar seu uso. Através de sua Assessoria de Imprensa, a Uber disse à Agência Efe que mais de 200 mil e-mails foram enviados pelos usuários aos vereadores para protestar contra o veto, e que o aplicativo "continua operando normalmente, porque o projeto de lei ainda não está em vigor". "O Uber defende que os usuários tenham o direito de escolher o modo como desejam se mover pela cidade", apontou a companhia, que lembrou que "a inovação é crucial" para enfrentar problemas de mobilidade como os de São Paulo. EFE  

 

Agência Efe

Postar um comentário

RESPONSABILIDADE

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.