27 de abril de 2017

Greve: PM diz que vai "blindar" casa de Temer e impedirá bloqueios em vias de SP

As vias que dão acesso à casa do presidente Michel Temer, no Alto de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, serão bloqueadas nesta sexta-feira (28), para impedir a chegada de manifestantes ao local. As Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo realizarão um ato unificado no largo da Batata, em Pinheiros, marcado para as 17h e que tem como destino final a casa do presidente. Eles são contra as reformas trabalhistas e previdenciária.

"Não é a primeira vez que uma manifestação tem como destino a casa do presidente. As vias serão bloqueadas para impedir a chegada dos manifestantes", afirmou o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Mágino Alves Barbosa Filho.

O secretário afirmou também que não serão tolerados bloqueios nas vias que dão acesso aos aeroportos da capital paulista. "Estamos dispostos a garantir o direito de ir e vir e a manutenção da ordem pública. Fizemos reuniões com as centrais sindicais e todos concordamos que não será possível o bloqueio das vias", disse citando as marginais e as vias que não acesso aos aeroportos.


O jornal o "Folha de S. Paulo" adiantou ontem que o MTST se unirá aos sindicalistas para impedir o funcionamento do aeroporto de Guarulhos.


"Uma coisa é interditar vias secundárias. Mas não há permissão para interdição de estradas e das marginais. Isso já foi avisado as centrais sindicais", declarou o secretário. Mágino não deu detalhes sobre número de efetivo da polícia militar que acompanhará as manifestações marcadas para amanhã e disse que, se necessário, a polícia vai agir com "energia". "Faremos de tudo para evitar o confronto. Mas se ele for necessário, agiremos com energia, dentro da legalidade", disse.


Ao menos três atos estão marcados em diferentes pontos da capital paulista para esta sexta-feira. Além do das Frentes, os profissionais de educação municipal de São Paulo vão se unir a outras categorias a partir das 16h no vão livre do Masp, na avenida Paulista, região central, também para protestar contra as reformas da Previdência e trabalhista, agregando à pauta de reivindicações questões relacionadas ao Sampaprev --responsável pela previdência dos servidores municipais. Os professores municipais também marcaram um ato na frente da prefeitura de São Paulo, às 15h.


Procurada, a Secretaria de comunicação da Presidência não quis comentar a mobilização. Em diversas ocasiões, Temer disse que as reformas são necessárias para o país voltar a crescer e retomar a geração de empregos. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, chegou a dizer que sem a reforma da Previdência o Brasil pode "quebrar". Sobre a reforma trabalhista, Temer tem dito que é necessário modernizar as normas que regem as relações de trabalho.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
Observações:

  • Último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.
  • A transferência entre linhas é garantida desde que o usuário esteja em sua última estação de transferência até as 00h. Para mais informações, confira o Regulamento de Viagem. ​​​​
De domingo a 6ª feira, das 4h à meia-noite, e aos sábados das 4h à 1h (sentido único, do centro de São Paulo para os bairros e municípios da Região Metropolitana).