27 de abril de 2017

Posso aderir à greve geral sem ter o dia descontado ou sofrer punição?

As centrais sindicais preparam para fazer na sexta-feira (28) uma greve geral contra as reforma da Previdência e trabalhista. Mas quem quer participar do movimento pode ter o dia descontado pelo patrão?

Segundo os advogados Danilo Pieri Pereira, especialista em direito e processo do trabalho, e Julia Pereira, especialista em direito do trabalho, os empregadores podem fazer o desconto.

Em uma greve comum, por reivindicações salariais, o desconto também é possível, mas normalmente isso é negociado no fim do movimento. Os trabalhadores fazem reivindicações diretamente à empresa. A paralisação só pode ser feita quando se esgotam as negociações. Sem acordo, os trabalhadores fazem uma assembleia com o sindicato, notificam o empregador sobre a decisão com 48 horas de antecedência e, então, param as atividades.

Porém, a greve geral não se enquadra nessas regras, mesmo se a decisão de adesão for de uma categoria inteira. "Embora se fale em greve geral, é uma paralisação de cunho político. Não há uma reivindicação direta com determinada empresa. É uma pressão contra o governo", afirma o advogado.

A advogada concorda. "Nesse caso, o que temos é uma manifestação contra uma proposta do governo. É mais político. Não tem uma greve da forma como a lei estabelece."

Ela afirma que o desconto do dia pode ser feito, pois se trata de uma falta injustificada, mas é uma opção do empregador.

Punição não deve passar do desconto 

Segundo Julia Pereira, se o patrão já fez o desconto do dia não trabalhado, não haveria motivos para outras punições, como suspensão, advertência e demissão.

Danilo Pieri Pereira disse que o trabalhador até poderia ser demitido por justa causa pela falta, porém, a medida só poderia ser aplicada se a ausência dele representasse um prejuízo grande para o empregador. "A demissão por justa causa depende de situação para situação".


Serviços essenciais têm regra diferente 

Algumas categorias de trabalhadores são consideradas essenciais e não podem parar totalmente suas atividades. Entram na lista quem trabalha com tratamento e abastecimento de água, energia elétrica, gás e combustíveis, transporte coletivo, assistência médica e hospitalar e controle de tráfego aéreo, por exemplo.

Eles podem fazer a paralisação desde que avisem a empresa com 72 horas de antecedência e estabeleçam um percentual mínimo de funcionamento, diz a advogada.

Outras categorias, como policiais militares, por exemplo, são proibidos de fazer greve. Já os médicos comentem crime se omitirem socorro.

https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2017/04/27/posso-aderir-a-greve-geral-sem-ter-o-dia-descontado-ou-sofrer-punicao.htm
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
Observações:

  • Último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.
  • A transferência entre linhas é garantida desde que o usuário esteja em sua última estação de transferência até as 00h. Para mais informações, confira o Regulamento de Viagem. ​​​​
De domingo a 6ª feira, das 4h à meia-noite, e aos sábados das 4h à 1h (sentido único, do centro de São Paulo para os bairros e municípios da Região Metropolitana).