25 de novembro de 2016

População rejeita privatização e quer metrô mais barato, com novas linhas e estações

A população da região metropolitana de São Paulo que diariamente utiliza o metrô o considera o melhor, mais rápido e mais limpo meio de transporte público disponível. Porém, seus trens são superlotados nos horários de pico e sua tarifa, cara, e poderá encarecer ainda mais caso a empresa seja privatizada, como está nos planos do governo de Geraldo Alckmin (PSDB). Os dados são da pesquisa "O metrô segundo seus usuários: percepções e demandas", realizada pelo Instituto Locomotiva, divulgada nesta quarta-feira. Foram ouvidas 813 pessoas em todas as linhas do metrô paulista entre os dias 6 e 12 de agosto. Atualmente, cerca de 4 milhões de passageiros utilizam os serviços.

A pesquisa foi encomendada pelo Sindicato dos Metroviários de São Paulo, que lançou hoje o Movimento Mais Transporte. Com apoio de sindicatos, centrais e entidades de movimentos sociais, pretende ampliar o debate e a defesa do transporte público contra o processo de sucateamento.

De acordo com o presidente do Instituto Locomotiva, Renato Meirelles (ex-Data Popular), a pesquisa aborda a situação do metrô na perspectiva do usuário. "Atrás de cada gráfico, de cada número, tem a história de pessoas, de cidadãos, que utilizam o transporte público para trabalhar, estudar, procurar emprego. É o retrato de quem anda de metrô e também de outros modais, como os ônibus urbanos e da EMTU e os trens da CPTM".

Segundo a pesquisa, o metrô lidera a preferência dos usuários. A avaliação positiva (notas 8, 9 e 10) foram dadas por 53% dos entrevistados. Os ônibus urbanos obtiveram as mesmas notas por apenas 21% dos usuários, a CPTM, de 16%, e os da EMTU, de apenas 15%. Sua rapidez é a qualidade que mais atrai usuários. "Há dados de que a maioria deles, se pudesse, só andaria de metrô, o que aponta para a necessidade de aumento da oferta", completou.

No entanto, os usuários apontaram que há muito em que melhorar, especialmente o valor das tarifas e a superlotação dos trens, mais grave nos horários de pico. Para eles, tais problemas poderiam ser sanados com a conclusão das estações em obras, com mais trens em circulação e redução do preço da passagem, que limita o direito de ir e vir e requer subsídios do governo, que deveria priorizar o sistema – conforme defendem 87% dos usuários ouvidos.

A ampla maioria dos usuários ouvidos (87%) acredita que o sistema deveria ter mais estações e considera grave a existência de atrasos nas linhas em construção. Apenas 12% avaliam como adequada a quantidade de linhas e estações. E para 98%, é grave haver atrasos nas obras. "No entanto, apenas um terço dos entrevistados associou os problemas no metrô a escândalos e irregularidades em contratos com fornecedores, como os do chamado cartel", ressaltou Meirelles.

Eles defendem ainda que a companhia deveria ter mais funcionários. E para 70% dos ouvidos, esses trabalhadores deveriam ser mais valorizados, trazendo assim melhoria no atendimento às necessidades dos passageiros.

"Outro dado é o posicionamento contrário à privatização do serviço por dois terços dos usuários entrevistados, não por razões ideológicas, mas econômicas. Eles acreditam que, com a privatização, haveria pressão de empresários por tarifas mais caras", disse Meirelles.

O dado, segundo ele, é confirmado por outro relevante: 98% dos entrevistados consideram ser dever dos governos – e não de empresas ou ONGs – oferecer transporte público adequado para a população. Para 93% , o metrô deveria ser prioridade para os governos e 92% deles concordam que o serviço deve receber mais investimentos.

"A luta contra a privatização do metrô não pode ser uma luta corporativista, em defesa dos nossos empregos e salários. E essa pesquisa falou com gente, com seres humanos que precisam do metrô, e que querem mais metrô, público, estatal e de qualidade", disse o secretário-geral do Sindicato dos Metroviários, Alex Fernandes. "Além de ajudar a construir esse transporte reivindicado pela população, o sindicato tem a tarefa de trazê-la para a luta, para dentro do movimento em defesa do transporte público."


Segundo pesquisa, usuários da região metropolitana defendem trens extras em horários de pico

Cida de Oliveira
Rede Brasil Atual

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
Observações:

  • Último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.
  • A transferência entre linhas é garantida desde que o usuário esteja em sua última estação de transferência até as 00h. Para mais informações, confira o Regulamento de Viagem. ​​​​
De domingo a 6ª feira, das 4h à meia-noite, e aos sábados das 4h à 1h (sentido único, do centro de São Paulo para os bairros e municípios da Região Metropolitana).

Apartamento em Francisco Morato finaciado pela Caixa

Apartamento em Francisco Morato finaciado pela Caixa
ÚNICO DA REGIÃO ENTREGUE TOTALMENTE ACABADO, COM PISO EM TODAS AS ÁREAS ✅ ESCRITURA GRÁTIS! 💥 APARTAMENTOS LOCALIZADOS A 1,8 KM DA ESTAÇÃO BALTAZAR FIDÉLIS 💥 Se você: ✅ Trabalha registrado ✅ Possui renda familiar de R$ 2200 ou mais ✅ Possuis FGTS Não perca mais tempo, saiba que você possui um excelente potencial de financiamento e não pode deixar essa oportunidade escapar! SUA OPORTUNIDADE CHEGOU ✅ 1 Vaga ✅ Condomínio com portaria 24hs. ✅ Piscina ✅ Salão de Festas ✅ Churrasqueira ✅ Quadra ✅ Playground ✅ Plantas de 46 e 46 M². O único da região que entrega totalmente acabado e pronto para morar ***Use seu FGTS *** Financiamento Caixa Econômica Federal *** Entrega garantida pela Caixa prevista para maio de 2019. Localização Município: Francisco Morato CEP do imóvel: 07996-005 Bairro: Res São Luis VISITAS SOMENTE COM AGENDAMENTO PRÉVIO Fale com agora mesmo no telefone ou WhatsApp com: RICARDO - 11-987405205