29 de fevereiro de 2016

Aumento de tarifa intensifica venda irregular de bilhetes

Quase dois meses após a tarifa da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) sofrer reajuste (passando de R$ 3,50 para R$ 3,80), o comércio que oferece passagem do sistema de maneira irregular têm se intensificado no entorno das estações do Grande ABC.

 

Ao longo da última semana, a equipe do Diário esteve em três estações da Linha 10-Turquesa da CPTM, responsável por atender a demanda de municípios da região e que liga Rio Grande da Serra ao Brás, na Capital. Enquanto em São Caetano o comércio irregular é inexistente, em Santo André e Mauá vendedores tomam conta das calçadas.

 

Na estação Prefeito Celso Daniel, no Centro de Santo André, vendedores irregulares não temem a presença de posto policial localizado ao lado da parada de trens. Em frente à bilheteria da estação, ambulantes realizam a venda de passagem por meio do Bilhete Único e do BOM (Bilhete de Ônibus Metropolitano).

 

Por se tratar de passagens provenientes de vale-transporte, a maioria é vendida por preço abaixo da tarifa convencional do sistema. Em Santo André, ambulantes ofereciam a passagem por valores que variavam de R$ 3,50 a R$ 3,75.

 

Atraídos pelo preço baixo e praticidade, usuários incentivam cada vez mais a irregularidade. Aproximadamente dez pessoas realizam a venda ilegal de passagens na cidade.</CW>

 

Na quarta-feira, por volta das 17h, o Diário esteve na estação do Centro de Santo André para acompanhar a movimentação de clientes e vendedores. Durante dez minutos, 123 pessoas compraram pelo sistema oficial da CPTM, enquanto outras 37 fizeram a aquisição de passagem pelo comércio irregular, o que equivale a 30% do total de vendas.

 

“Depois que aumentaram a tarifa, as filas estão muito grandes. Compensa bem mais pegar o bilhete com eles (vendedores irregulares). Primeiro porque você paga mais barato. Além disso, a espera na bilheteria é longa. Enquanto você está na fila, perde, no mínimo, dois trens”, relata a operadora de caixa Danileine Ferreira, 29 anos.

 

Lei trabalhista de 1985 proíbe o trabalhador de revender o vale-transporte. O desrespeito pode render demissão por justa causa. Além disso, quem pratica essa irregularidade é passível de autuação criminal. O usuário que adquire também pode responder por falsidade ideológica.

 

Em Mauá, onde longas filas são rotineiras, ambulantes aproveitam para fazer a venda do bilhete de papel por preço superior aos praticados nos guichês da estações. O valor vai de R$ 4 a R$ 4,50. Embora a tarifa seja mais alta, usuários não se incomodam em adquirir a passagem pelo mercado paralelo. “Já cheguei a ficar dez minutos na fila. É um tempo muito grande, por isso eles conseguem vender”, relata a vendedora Jeniffer Paes Buarque, 23.

 

Em nota, a CPTM informou que realiza constantes fiscalizações nas linhas de bloqueios das estações visando coibir irregularidades, inclusive no uso ilegal de bilhetes. A companhia informou que, com a adoção da nova tarifa, de R$ 3,80, a demanda por troco aumentou, o que vem provocando filas em algumas estações nos horários de maior movimento. Diz ainda que a maioria dos usuários não tem o hábito de trazer moedas para facilitar a compra do tíquete.

 

Fonte: https://www.dgabc.com.br/Noticia/1810326/aumento-de-tarifa-intensifica-venda-irregular-de-bilhetes

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
Observações:

  • Último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.
  • A transferência entre linhas é garantida desde que o usuário esteja em sua última estação de transferência até as 00h. Para mais informações, confira o Regulamento de Viagem. ​​​​
De domingo a 6ª feira, das 4h à meia-noite, e aos sábados das 4h à 1h (sentido único, do centro de São Paulo para os bairros e municípios da Região Metropolitana).