28 de janeiro de 2015

Após ato do MPL, estação Faria Lima do metrô tem confronto

O quinto ato contra o aumento da tarifa do transporte público em São Paulo terminou ontem terça-feira, 27, de forma pacífica no Largo da Batata, após uma marcha de 2h30 que pela primeira vez parou a Marginal do Pinheiros.

 

Meia hora depois, porém, houve tumulto dentro da Estação Faria Lima do Metrô com bombas de gás e pessoas desmaiadas.

 

Um grupo de manifestantes pretendia fazer um "catracaço" e negociava com seguranças da ViaQuatro, concessionária responsável pela Linha 4-Amarela, quando a Tropa de Choque desceu as escadas. Houve um princípio de tumulto e um manifestante lançou uma pedra em um funcionário do Metrô.

 

A PM reagiu, lançando ao menos seis bombas de gás lacrimogêneo em dois minutos. A estação estava lotada. Houve correria e muita gente passou mal. A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo viu três pessoas desmaiarem; outras vomitaram. Uma pessoa foi detida.

 

Passageiros de uma composição seguraram as portas para que as pessoas pudessem entrar e fugir do tumulto. Mesmo seguranças da ViaQuatro e policiais passaram mal por causa do gás. Até as 23h20, não havia informações de detidos ou número total de feridos.

 

O repórter da TV Estadão Fernando Otto foi atingido por uma bala de borracha lançada pela PM na saída da Estação Faria Lima, enquanto filmava a ação de mascarados que depredavam os vidros. A bala atingiu o celular que estava em seu bolso - que ficou destruído. Otto não se feriu.

 

No ato anterior, no centro de São Paulo, que foi dispersada na Avenida São João, após confronto entre black blocs e PMs, pelo menos duas pessoas que acompanhavam a marcha ficaram feridas, incluindo o repórter do Estado Edgar Maciel, atingido na perna por bala de borracha.

 

O ato do Movimento Passe Livre (MPL) havia saído do Largo da Batata às 19h15 e bloqueado a Avenida Brigadeiro Faria Lima no sentido da Ponte Eusébio Matoso. Segundo a Polícia Militar, mil pessoas faziam parte da caminhada.

 

Já o MPL falava em 10 mil. A major Dulcinéia Lopes, responsável pela operação, informou que 350 militares faziam o policiamento, menor efetivo desde que começaram os protestos contra a tarifa de R$ 3,50, que entrou em vigor no dia 6.

 

"Não vamos deixar (seguir) na Paulista, em decorrência das obras, e na Marginal (do Pinheiros) por causa do trânsito", afirmava a major, ainda no Largo da Batata, onde ocorreu a concentração para o ato. Posteriormente, a PM cedeu e deixou que o MPL bloqueasse a Marginal do Pinheiros pela primeira vez no ano. Na sequência, ficou definido que só a pista local no sentido Castelo seria ocupada.

 

Envelopamento

 

Embora tenha deixado os manifestantes "livres" logo que a passeata saiu, ao chegar à Marginal do Pinheiros a polícia voltou a usar a tática dos quatro atos anteriores, de envelopamento. Ou seja, os manifestantes caminharam cercados por duas linhas da PM. A tática também evita ação Black Bloc.

 

"A Marginal é nossa", gritou o MPL quando alcançou a via, às 20 horas. "Não vamos sair das ruas enquanto a tarifa não ficar abaixo de R$ 3", disse Ana Francisca Moreno.

 

Os manifestantes decidiram encerrar o ato no Largo da Batata. No caminho, na frente da Pizzaria Bráz, na Rua Vupabussu, um idoso tentou bloquear o protesto sozinho. E discutiu com os manifestantes. "Da Petrobras, um problema seriíssimo, vocês não falam!", bradou. Os manifestantes riram e responderam: "Vai tomar busão".

 

Duas horas e meia depois do início da caminhada, o ato chegou ao Largo, onde integrantes do MPL conclamaram para o 6° protesto, no vão livre do Masp, às 17 horas desta quinta-feira, 29.

 

Bombas de gás lacrimogêneo foram jogadas pela PM dentro do Metrô FARIA LIMA. Foto: Marcus Oliveira #MetroSP #L4 pic.twitter.com/I46kpcZBmJ

 

— Linha 4 Amarela (@Linha4_Amarela) 28 janeiro 2015

 

Estadão

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
Observações:

  • Último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.
  • A transferência entre linhas é garantida desde que o usuário esteja em sua última estação de transferência até as 00h. Para mais informações, confira o Regulamento de Viagem. ​​​​
De domingo a 6ª feira, das 4h à meia-noite, e aos sábados das 4h à 1h (sentido único, do centro de São Paulo para os bairros e municípios da Região Metropolitana).

Apartamento em Francisco Morato finaciado pela Caixa

Apartamento em Francisco Morato finaciado pela Caixa
ÚNICO DA REGIÃO ENTREGUE TOTALMENTE ACABADO, COM PISO EM TODAS AS ÁREAS ✅ ESCRITURA GRÁTIS! 💥 APARTAMENTOS LOCALIZADOS A 1,8 KM DA ESTAÇÃO BALTAZAR FIDÉLIS 💥 Se você: ✅ Trabalha registrado ✅ Possui renda familiar de R$ 2200 ou mais ✅ Possuis FGTS Não perca mais tempo, saiba que você possui um excelente potencial de financiamento e não pode deixar essa oportunidade escapar! SUA OPORTUNIDADE CHEGOU ✅ 1 Vaga ✅ Condomínio com portaria 24hs. ✅ Piscina ✅ Salão de Festas ✅ Churrasqueira ✅ Quadra ✅ Playground ✅ Plantas de 46 e 46 M². O único da região que entrega totalmente acabado e pronto para morar ***Use seu FGTS *** Financiamento Caixa Econômica Federal *** Entrega garantida pela Caixa prevista para maio de 2019. Localização Município: Francisco Morato CEP do imóvel: 07996-005 Bairro: Res São Luis VISITAS SOMENTE COM AGENDAMENTO PRÉVIO Fale com agora mesmo no telefone ou WhatsApp com: RICARDO - 11-987405205