5 de setembro de 2013

Coleta seletiva para nas lixeiras

Fica difícil adivinhar o lugar certo para o papel, plásticos, metal e vidro

Pontos de descarte foram implantados em novembro nas estações, mas não receberam boas sinalizações

Fica difícil adivinhar o lugar certo para o papel, plásticos, metal e vidro Fica difícil adivinhar o lugar certo para o papel, plásticos, metal e vidro

Nas estações de trem da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), os usuários encontram, desde novembro do ano passado,  grupos de lixeiras coloridas em pontos estratégicos. Pela cor, é fácil deduzir que são destinadas ao material reciclado. O problema é que, sem a indicação do tipo de lixo que deve ser descartado em cada uma delas, fica difícil adivinhar o lugar certo para  o papel, plásticos, metal, vidro e material orgânico.

Falta um simples adesivo, mas a empresa do governo estadual diz que o processo de implantação de reciclagem de lixo é lento e, por isso, a demora de mais de nove meses.

O DIÁRIO esteve ontem nas estações São Miguel Paulista, da Linha 12-Safira, na Barra Funda, da Linha 7-Rubi e 8-Diamante, e na Domingos de Moraes, também da Linha 8. Em cada uma delas a reportagem  flagrou usuários confusos   depositando o lixo em qualquer um dos pontos. Até mesmo na recém inaugurada Estação São Miguel Paulista falta a sinalização.

Sem indicação, a assistente fiscal Gisele Marciel, de 34 anos, jogou o papel na lixeira verde, usada para vidro. “Coleta seletiva não existe. Até a cor dos sacos são pretos. Se eles separassem o lixo, os sacos deveriam ser coloridos”, afirma ela, que estava na estação Domingos de Moraes.

O analista Guilherme Alves usa uma tática diferente para acertar na hora de  jogar o lixo fora. “Olho a lixeira que tem mais lixo do mesmo tipo e jogo o meu. Mas como na maioria das vezes o lixo está misturado, eu jogo em qualquer uma.”

O  problema volta a se repetir na Barra Funda. Lá, além de usuários confusos, a reportagem flagrou  os funcionários da limpeza retirando os sacos de lixo e  misturando em um único carrinho de dejetos comuns. Uma assistente de limpeza admitiu que o lixo não é separado.

Processo é lento, justifica empresa sobre o problema

Questionada sobre o fato de as lixeiras não terem sinalização e a falta da coleta seletiva nas estações, a CPTM informou que o processo de implantação é lento porque, além de identificar os pontos de descartes  com adesivos, é preciso definir como deve funcionar o processo de reciclagem.

A empresa admite  que falta fechar acordos com cooperativas de reciclagem. A CPTM informou, ainda, estar “trabalhando no edital de licitação para contratação de coleta de lixo nas estações” e, por isso, instalou as lixeiras em todas as estações e iniciou a identificação visual para futura coleta seletiva.

Segundo a empresa, “todas as lixeiras da Linha 7-Rubi (Luz-Francisco Morato) estão identificadas”, o que não se confirma porque na Barra Funda não há qualquer sinalização. A companhia  diz que os outros pontos de parada receberão a comunicação visual   gradativamente, sem dar uma data específica.

Por: Lucilene Oliveira
Especial para o DIÁRIO
Comentários
1 Comentários

Um comentário:

Anônimo disse...

as coleta de material é mt bom mas nas ruas poderia ter tbm

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
Observações:

  • Último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.
  • A transferência entre linhas é garantida desde que o usuário esteja em sua última estação de transferência até as 00h. Para mais informações, confira o Regulamento de Viagem. ​​​​
De domingo a 6ª feira, das 4h à meia-noite, e aos sábados das 4h à 1h (sentido único, do centro de São Paulo para os bairros e municípios da Região Metropolitana).