14 de agosto de 2013

MPL descola protesto de Alckmin; CUT vai pedir CPI

A quarta-feira paulistana será marcada por dois protestos, ambos sobre o transporte e com críticas ao escândalo envolvendo suposto cartel em licitações de metrô e trens metropolitanos no Estado. A primeira manifestação, marcada para as 15h no Vale do Anhangabaú pelo Movimento Passe Livre (MPL) e pelo sindicato dos metroviários (Metroviários-SP), tenta se descolar da bandeira "Fora Alckmin", enquanto a reunião convocada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) de São Paulo em frente à Assembleia Legislativa, às 17h, vai pressionar pela abertura de uma CPI para investigar o envolvimento dos tucanos no caso.

Metroviários contam com o apoio do MPL para organizar a manifestação que sai do Vale do Anhangabaú, circula pelo Centro e segue para a Secretaria dos Transportes Metropolitanos. Em texto publicado na internet, o MPL aponta que a manifestação "é mais uma mobilização na luta por um transporte verdadeiramente público, organizado de acordo com os interesses dos seus trabalhadores e usuários, e não pelo lucro das empresas e políticos". Também endossa a manifestação o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto.


Para Nina Capello, uma das representantes do MPL, o ato vai dialogar com a população e é bastante diferente dos protestos organizados pelo movimento em junho, quando foi conquistada a revogação do aumento da tarifa de ônibus na cidade de São Paulo. "O ato de amanhã não será muito grande. É um ato denúncia, para panfletar. Não é nos moldes do que fizemos em junho, quando eram protestos subsequentes com pauta clara", comentou. Até o momento, 7,1 mil pessoas confirmaram presença pelo Facebook no evento criado pelo metroviários. A expectativa do sindicato é de que pelo menos 5 mil pessoas participem da mobilização.


No ato organizado pela CUT-SP, contudo, a pauta é direta: "Nós queremos apuração rigorosa das denúncias sobre o que está sendo acusado, dos governos tucanos", disse o presidente da central em São Paulo, Adi dos Santos Lima. "A diferença entre os protestos é o local. Achamos que é importante pressionar na Assembleia porque é lá que vai ser votado o pedido de abertura de CPI", completou Lima.

A CUT-SP admite apoio ao protesto do Vale do Anhangabaú, mas metroviários e MPL ressaltam a diferença entre os dois atos. Moraes, do sindicato dos metroviários, aponta para a tentativa de "politização" do dia de protestos pela central.

''Trensalão''

Na semana passada, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, batizou o escândalo de "trensalão" e disse que no dia 14 em São Paulo haveria uma manifestação contra o "propinoduto ou trensalão". Na segunda-feira, 12, ao ser indagado como encarou o uso do termo "trensalão", Geraldo Alckmin (PSDB) ironizou: "Eles querem misturar coisas totalmente distintas; querem confundir a opinião pública. Uma coisa é corrupção, crime comprovado, entre político para agente público; outra coisa é setor privado fazer conluio para prejudicar o Estado".

Na tarde desta terça-feira, 13, a menos de 24 horas do primeiro protesto, o governador Alckmin anunciou que o governo vai à Justiça contra a Siemens "pela lesão aos cofres públicos" por conta da formação de cartel em licitações da CPTM e do Metrô. "Ela vai indenizar centavo por centavo".


Estadão
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
Observações:

  • Último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.
  • A transferência entre linhas é garantida desde que o usuário esteja em sua última estação de transferência até as 00h. Para mais informações, confira o Regulamento de Viagem. ​​​​
De domingo a 6ª feira, das 4h à meia-noite, e aos sábados das 4h à 1h (sentido único, do centro de São Paulo para os bairros e municípios da Região Metropolitana).